No Brasil


ASN Brasil em Aurilândia-Goiás


No dia 01 de julho iniciamos as nossas atividades com o Projeto Semear, uma iniciativa que visa atender as cidades do interior, priorizando àqueles que têm esperado por tratamento e têm dificuldade de acesso aos serviços de saúde.

Durante todo o dia, dezenas de pessoas passaram pela Secretária de Ação Social de Aurilândia, Goiás, local onde a ação aconteceu. Com uma equipe composta por 7 médicos, 4 dentistas, 2 enfermeiros, 1 farmacêutico, 1 fisioterapeuta e 1 psicólogo todos os presentes foram atendidos e uma pessoa foi encaminhada para cirurgia, que foi realizada no dia seguinte em parceria com o Hospital Municipal local.

Estamos felizes por receber na ASN Brasil o Projeto Semear, que a partir de então faz parte dessa organização, sendo a linha de trabalho responsável pelas atividades no Brasil. Com foco inicial no interior de Goiás, a próxima ação do Projeto Semear está prevista para o dia 05 de agosto. Em breve, divulgaremos o local e maiores informações.

ONG ASN Brasil entra em parceria com o MINSA Guiné Bissau


No mês de maio estivemos na capital de Guiné Bissau a fim de nos apresentarmos ao Ministério de Saúde e Departamento de Coordenação das Organizações Não Governamentais, para nos inscrevermos como organização parceira.

Foi dada a entrada em todos os procedimentos legais e em breve teremos a certificação guineense.

Além disso o Dr. Rolney Dezani, médico e coordenador de Departamento de Medicina, e a Dra. Betty Agi, biomédica e gestora da ASN Brasil, tiveram todos os seus documentos revisados e aceitados e conseguiram o visto de residência e a carteira profissional das respectivas ordens, podendo assim trabalhar voluntariamente e responder pela ASN Brasil em todo o território de Guiné Bissau.

Sobre limpar o mato e mudar o mundo


SOBRE LIMPAR O MATO E MUDAR O MUNDO

Ele tirava os matinhos que cresciam entre as pedras que pavimentavam a faculdade.

São tantas as pessoas invisíveis que passam por nossas vidas. A familiaridade, muitas vezes, nos cega. E nos cega para algumas das coisas mais bonitas que acontecem à nossa volta.

Ele tirava os matinhos que cresciam entre as pedras que pavimentavam a faculdade. Não só.

A nobreza não está naquilo que fazemos, mas naquilo que nos tornamos e passamos a ser.

Ana era aluna de medicina em fase de conclusão do curso. Estava inscrita num projeto de atendimento médico à pessoas carentes no Senegal. Era seu grande sonho. Passou boa parte da graduação estudando, também, o país onde iria fazer sua residência.

Entregou todos os documentos no prazo e esperava somente o “ok” formal para seguir adiante no processo e poder pensar nas passagens. Não havia possibilidade de recusa, uma vez que, desde o início do curso, deixou claro seu interesse e intenção de ocupar essa vaga num lugar onde havia pouquíssimo interesse dos demais alunos.

Cinco anos depois, era a hora de preparar as malas.

Autorização negada.

Susto, confusão, decepção. Ana tinha uma dívida que comprometia seu CPF e inviabilizava a possibilidade de viajar a serviço da Secretaria da Saúde. Há alguns anos seu pai havia perdido tudo num negócio onde fora enredado por um sócio. Ana não era culpada, mas, para ajudar o pai, havia cedido seu nome para concretização de um dos contratos.

O que fazemos hoje, ecoa amanhã. Nesse caso, de forma tristemente negativa.

Quando estamos sintonizados com algo que é maior do que nós e que nos impele na direção correta, me parece que, muitas vezes, algumas forças cooperam a nosso favor.

Ana foi avisar aos colegas de turma sobre o ocorrido. O impedimento da concretização de seu sonho virou um assunto de corredor. Todos ficaram sabendo de seu projeto bonito e impetuoso e também da negativa por conta de algo tão pueril. Inclusive o seu Antônio, o homem que tirava os matinhos que cresciam entre as pedras que pavimentavam a faculdade.

No dia seguinte, assim que Ana chegou, seu Antônio estava arrumado, esperando-a. Ela não o conhecia:

  • Moça, fiquei sabendo do seu caso e queria ajudar.

Seu Antônio explicou que trabalhava ali havia mais de vinte anos, que era sozinho, não tinha esposa nem filhos, que via todo mundo ali, de branco, estudando para ajudar os outros e que queria ajudar também, mas não tinha estudo. Então, trabalhava e juntava o pouco que ganhava para, num dia, fazer algo positivo por alguém. O dia havia chegado.

Seu Antônio pagou a dívida de Ana e ainda conseguiu comprar a passagem para a viagem da moça.

  • ­Filha, eu sei que é difícil pra você entender e aceitar, mas aceite sem entender mesmo. Senão, tudo o que fiz e o dinheiro que juntei não me trarão a alegria que podem trazer se você aceitar.

Eu acredito nas pequenas atitudes.

Eu acredito na corrente do bem. Na somatória de pequenas coisas que, feitas com a motivação correta e na direção do bem, podem mudar o mundo.

Eu acredito que podemos mudar a gente mesmo e, assim, ajudarmos a mudar o mundo dos outros.

Ana está no Senegal há seis anos.

Seu Antônio continua mudando o mundo, enquanto tira os matinhos de entre as pedras.

E você?

 

 

04 anos em um dia!


Sou G.M.*, mulher, 60 anos, moro em Aurilândia, no interior do estado de Goiás.

Hoje é dia 01 de julho e essa data me lembra que espero uma cirurgia vascular há quase 4 anos. Tenho pé diabético.

Meu pé dói a cada manhã quando acordo. Meu coração dói a cada vez em que me lembro da minha neta, de também 4 anos, que ainda não teve uma avó que pudesse brincar com ela. São quatro anos de dor!
Já fui várias vezes ao hospital, mas ainda não chegou a minha vez. Meu caso é urgente, mas estou numa lista com outros milhares de casos urgentes, então devo esperar!

Ouvi falar que hoje alguns médicos atenderão na Secretária Social na minha cidade.

Um sábado, e tão cedo, será mesmo que terá alguém por lá? Bem, eles eu não sei, mas eu estaria. Acordei com muita dor e com muita secreção no meu pé. Coloquei a faixa que tinha, úmida por sinal, para ver se consigo caminhar até lá.

Cheguei! E sim, eles estavam lá… Eles, eu e mais muita gente esperando atendimento, mas não demorou a chegar a minha vez.

Fui encaminhada para o Dr. Daniel, cirurgião vascular. Expliquei como pude, mostrei exames, mas ele não precisou ouvir toda a minha história para entender que eu precisava de ajuda. Tive uma ótima consulta, mas foi mais do que isso. Saí do consultório com a cirurgia marcada. Não para um dia distante de uma fila de espera, mas inacreditavelmente para o dia seguinte!

Sem espera, sem custo, sem dor e com muita gratidão! Assim estou hoje, após 15 dias da cirurgia feita.

Eu não sabia que se tratava do Projeto Semear, mas agora sabendo vejo o quanto de esperança foi semeada em minha vida.
Ao Dr. Daniel Alexandrino e toda ASN Brasil o meu muito obrigada!
Pelo dia 01 de julho e por todos os dias que virão!

————————————
* nome ocultado para preservar a identidade da paciente. A foto usada não é da paciente da história.

Análises Clínicas ASN


Para oferecer um tratamento mais assertivo nas consultas médicas temos como apoio alguns exames de análises clínicas. Testes rápidos, Gota Espessa, Hemograma e exames parasitológicos são decisivos para fechar alguns diagnósticos, principalmente nas Clínicas realizadas em Guiné Bissau e Senegal.

Por isso temos o Departamento de Análises Clínicas ASN, que visa estruturar o fluxo de exames e se estabelecer como frente de trabalho junto aos demais atendimentos através da aquisição de materiais e equipamentos e treinamento e palestras para aprendizes locais.

Atualmente, o departamento conta com poucos kits e testes rápidos, lâminas, 01 microscópio e corantes, que serão utilizados na próxima viagem ASN África em janeiro de 2018.

Para saber como fazer parte deste setor, como profissional ou estudante da área, envie um e-mail para asnbrasil@hotmail.com ou entre em contato diretamente com a coordenação através do Whataspp 62 9 9141-0591.

Coordenadora:
Dra. Brenda Rucschana Agi
Biomédica, especialista em Microbiologia pela Unievangélica, Anápolis-GO. MBA em Gerência de Projetos pela mesma instituição, atua em programas de saúde em projetos humanitários desde 2011, quando esteve em Angola por três meses, como biomédica voluntária no Evangelical Medicinal Center of Lubango. Vice-presidente da ONG Compaixão Internacional, tem como plano de carreira cooperar para o desenvolvimento e promoçao da saúde nos países africanos.